Notamos que as pessoas estão sedentas de consumir, especialmente em lojas físicas.

Pedro Correia sobre a situação actual no mercado português dos brinquedos sexuais.

Após dois anos de problemas pandémicos, muitos países europeus estão lenta mas seguramente a voltar a uma sensação de normalidade. Isto também inclui Portugal, e a EAN pediu a Pedro Correia uma entrevista para dar mais informações sobre o estado actual do mercado português de brinquedos sexuais. Pedro é o CEO & Sócio Sénior da Refixe, uma empresa activa em ambos, comércio electrónico e venda a retalho em lojas físicas.  

Qual é a situação em Portugal hoje – desde o início de Março – no que diz respeito às medidas do coronavírus? O país está de volta à “normalidade”? 

Pedro Correia : Estamos quase de volta ao “normal”; as medidas mais limitantes foram levantadas. Esperemos que elas continuem assim. 

Como é que tudo isto está a afectar o clima de consumo? As pessoas estão dispostas a gastar dinheiro? E se sim, onde estão a gastá-lo – em lojas físicas ou online?

Pedro Correia : Notamos que as pessoas têm sede de consumo, especialmente em lojas físicas.

Tem-se falado muito que, depois de Covid, uma “era dourada” teria surgido para a indústria dos brinquedos sexuais, porque a pandemia abriu as portas a inúmeros novos consumidores que estão agora a abrir caminho no nosso mercado. Está igualmente optimista?

Pedro Correia : É verdade que tivemos muitos consumidores novos devido ao bloqueio, mas não sei que percentagem continuará a jogar neste mercado. Esperemos que muitos deles. 

Poderão factores como o aumento da inflação, o aumento do custo de vida, crises internacionais, etc. estragar o humor de compra do consumidor português? 

Pedro Correia : Definitivamente. Portugal tem um dos rendimentos mais baixos da Europa, pelo que qualquer pequena alteração ou especulação nos mercados provoca uma quebra de confiança e diminui o consumo. 

A pandemia tem visto o mercado de brinquedos sexuais avançar muito rapidamente para a corrente dominante. Há muita aceitação para os brinquedos sexuais em Portugal na Primavera de 2022? Será que Covid mudou realmente a percepção que o povo português tem dos brinquedos sexuais? 

Pedro Correia : Os portugueses ainda não estão tão abertos a aceitar os brinquedos sexuais como, por exemplo, a Espanha. Penso que o efeito corona e os influenciadores falam abertamente sobre os brinquedos sexuais – esse foi o ponto de viragem. A partir do momento em que as grandes lojas perderem a vergonha de vender este tipo de brinquedos, as pessoas também começarão a pensar que é normal utilizá-los. Mas continua a ser tabu. 

Quais são as tendências actuais no seu mercado? Que pedem os clientes portugueses quando vão às compras de brinquedos sexuais?

Pedro Correia : A marca Satisfyer fez um grande trabalho de divulgação, pelo que continua a ser um best-seller, especialmente o Satisfyer PRO+. Os produtos controlados à distância são também muito procurados.

A sua base de clientes mudou ao longo dos últimos anos? Os seus interesses, desejos e necessidades mudaram?

Pedro Correia : Começámos a ver clientes mais jovens e especialmente mulheres. Enquanto no passado era frequentemente o homem que comprava os brinquedos para os oferecer à mulher, agora procura ter um brinquedo. 

Está em casa tanto no comércio on-line como no comércio retalhista físico. Quantos dos seus clientes da loja física voltaram definitivamente para o comércio on-line devido à pandemia? 

Pedro Correia : Penso que os clientes de loja física continuam a gostar de fazer compras na loja. É um tipo diferente de cliente, que procura um serviço personalizado e a opinião do vendedor. Assim, apesar de terem de comprar on-line, continuarão a visitar a loja. 

Com isto em mente, a questão deve ser colocada: Como é que o retalho de brinquedos sexuais em lojas físicas , que se adapta ao tempo, será capaz de resistir ao teste do tempo num ambiente de mercado em constante mudança?

Pedro Correia : Sem dúvida, terão de recorrer à Internet, uma vez que este vai ser um mercado cada vez maior, e muitos clientes só compram online. As lojas físicas terão de se concentrar no serviço ao cliente e na experiência e desenvolver uma estratégia omnicanal. 

Como vai ser o mercado português de brinquedos sexuais daqui a cinco ou dez anos? Está optimista quanto ao futuro? Que canais de venda dominarão então o mercado?


Pedro Correia : Para mim é um grande desconhecido. Tenho a certeza que o mercado vai crescer, e online vai dominar, mas estou preocupado quando penso em quais os jogadores que vão dominar. Os grandes mercados online estão cada vez mais a ganhar terreno, e as grandes cadeias começam a vender brinquedos sexuais, pelo menos os mais populares. Mas penso que haverá sempre espaço para lojas especializadas que oferecem mais variedade.

Este site contém imagens e conteúdos exclusivamente para adultos. Se você não atingiu a idade de 18 anos ou se este tipo de conteúdo o ofende, não prossiga